Pedir orçamento

Pedido de Orçamento

Preencha o formulário abaixo para solicitar um orçamento gratuito. Enviaremos a nossa proposta com a maior brevidade possível.

    Nome*

    Empresa

    E-mail*

    Confirmar e-mail*

    Nº telefone

    NIF

    Serviço pretendido

    Prazo de entrega

    Mensagem (opcional)

    * Preenchimento obrigatório

    WhatsApp

    Pedir orçamento

    Pedido de Orçamento

    Preencha o formulário abaixo para solicitar um orçamento gratuito. Enviaremos a nossa proposta com a maior brevidade possível.

      Nome*

      Empresa

      E-mail*

      Confirmar e-mail*

      Nº telefone

      NIF

      Serviço pretendido

      Prazo de entrega

      Mensagem (opcional)

      * Preenchimento obrigatório

      WhatsApp

      Get a free quote

      Request Quote Form

      Fill out the form below to request a free quote. We will send you our proposal as soon as possible.

        Name*

        Company

        Email*

        Confirm email*

        Phone No

        VAT No

        Service

        Deadline

        Message

        * Mandatory fields

        WhatsApp

        Get a free quote

        Request Quote Form

        Fill out the form below to request a free quote. We will send you our proposal as soon as possible.

          Name*

          Company

          Email*

          Confirm email*

          Phone No

          VAT No

          Service

          Deadline

          Message

          * Mandatory fields

          WhatsApp

          Porque dizer “não” é positivo

          Já alguma vez se viu numa situação em que alguém lhe pede para fazer algo que não quer mesmo fazer, mas sente-se obrigado a aceitar mesmo assim?

          Talvez seja um amigo que o convida para uma festa que sabe que vai ser aborrecida, ou um colega ou chefe que lhe pede para assumir um projecto extra para o qual não tem tempo, ou um membro da família que espera que o ajude com algo que é realmente incómodo para si…

          Seja qual for o caso, acaba por dizer sim, apesar de preferir dizer não. E depois tortura-se a si próprio por sacrificar as suas coisas, o seu tempo, para tratar dos problemas dos outros. Ou porque é introvertido e está agora a enfrentar a ansiedade desnecessária de se sentir exposto para fazer um favor a outra pessoa.

          Porque fazemos isto? Porque concordamos com coisas que não queremos fazer e depois nos arrependemos?

          Há uma miríade de razões por trás estes comportamentos, mas aqui estão algumas das mais comuns:

          • Não queremos ser insensíveis. Todos nós conhecemos alguém que é muito frio ou brusco e deixa os outros desconfortáveis, e você não quer ser essa pessoa. Pensamos que dizer não deixará as pessoas zangadas, tristes ou desiludidas… e não queremos mesmo lidar com isso. Queremos ser simpáticos, educados e atenciosos, e não queremos causar conflitos ou dramas.
          • Não queremos perder nada. Por vezes, pensamos que dizer não nos vai fazer perder uma oportunidade, um contacto ou um benefício. Queremos ser vistos como abertos, flexíveis ou ousados, e não queremos limitar-nos a nós próprios ou às nossas opções.
          • Não queremos parecer más pessoas. Pensamos que dizer não nos vai fazer parecer egoístas, preguiçosos ou incompetentes. Queremos ser vistos como prestáveis, produtivos, capazes e não queremos prejudicar a nossa reputação ou imagem.

          Estas razões podem parecer válidas e razoáveis, mas na realidade baseiam-se em falsos pressupostos e receios.

          A verdade é que dizer “não” não é um crime, e também não tem de ser uma coisa negativa ou prejudicial. De facto, dizer não pode ter muitos efeitos positivos e benéficos, tanto para nós como para os outros:

          • Dizer não permite-nos ser honestos. Quando dizemos não, estamos a ser fiéis a nós próprios e aos nossos sentimentos. Não estamos a fingir ou a mentir, e não estamos a comprometer a nossa integridade ou os nossos valores. Estamos a expressar limites e a respeitar as nossas próprias necessidades.
          • Dizer não dá-nos poder. Quando dizemos não, estamos a assumir o controlo das nossas vidas e das nossas escolhas. Não estamos a deixar que os outros nos ditem ou manipulem, e não estamos a abdicar do nosso poder e controlo. Estamos a afirmar os nossos direitos e responsabilidades, e estamos a defender-nos a nós próprios e aos nossos interesses.
          • Dizer “não” significa dizer “sim” a outras coisas. Quando dizemos não, estamos a criar espaço e tempo para as coisas que queremos fazer. Não estamos a desperdiçar os nossos recursos ou a nossa energia em coisas de que não gostamos ou que não valorizamos, e não estamos a perder coisas que gostamos. Estamos a dar prioridade aos nossos objectivos e paixões, bem como a procurar a nossa felicidade.

          Claro que dizer não nem sempre é fácil ou confortável. Pode ser desafiante e incómodo, especialmente se não estivermos habituados a fazê-lo ou se enfrentarmos resistência ou pressão por parte dos outros. Mas também não é impossível nem rude. É possível dizer não de uma forma educada e respeitosa, sem magoar ou ofender ninguém.

          Eis algumas dicas para recusar com estilo:

          • Seja claro e directo. Deixe-se de rodeios e não utilize uma linguagem vaga ou ambígua. Não diga “talvez” ou “vou pensar nisso” ou “depois digo algo” se quiser dizer não. Diga simplesmente “não” e explique porquê, se necessário. Por exemplo, “Não, obrigado, não estou interessado” ou “Não, agora não posso” ou “Não, agradeço o convite, mas tenho outros planos”.
          • Seja firme e confiante. Quando as pessoas são insistentes, mantenha-se firme! Não peça desculpa nem se justifique excessivamente. Não diga “lamento”, “tenho muita pena” ou “quem me dera poder” se não for assim. Diga simplesmente que não e mantenha a sua posição. Não deixe que os outros o persuadam ou culpem para que mude de ideias. Por exemplo, “Não, não vou mudar de ideias” ou “Não, não tenho de dar explicações” ou “Não, não me sinto culpado por recusar”.
          • Seja positivo e respeitoso. Tem medo de magoar os outros, mas não o fará! Não seja rude nem agressivo. Não diga “Nem pensar!” ou “Está a gozar comigo?” ou “Que ideia ridícula!” se não tiver de o fazer. Diga apenas não e mostre apreço e empatia. Não torne a questão pessoal nem ataque a outra pessoa. Por exemplo, “Não, mas ainda bem que me convidou” ou “Não, mas percebo porque me pediu e não tem problema” ou “Não, mas espero que se divirta sem mim”.

          Portanto, dizer “não” é mesmo positivo. É uma questão de assertividade e auto-cuidado. E é também uma competência muito necessária que pode aprender e praticar! É um presente que podemos dar a nós próprios e aos outros. Pode ajudar-nos a sermos mais honestos, empoderados e mais felizes, e isso também se reflectirá na forma como tratamos as outras pessoas.

          Pode ajudar-nos a sermos mais respeitadores, mais solidários e mais fiáveis.

          O mundo precisa de mais pessoas com o coração no lugar certo e, adivinhe, ajudar os outros também o fará sentir-se melhor consigo próprio. Mas não facilite a vida aos outros se isso tornar a sua mais difícil.

          Por isso, da próxima vez que alguém lhe pedir para fazer algo que não quer fazer, não tenha medo de dizer não. Pode ficar surpreendido com a sensação de bem-estar! 😊

          Entretanto, diga sim à nossa excelente oferta de serviços de tradução, revisão, localização e transcriação, todos adaptados às suas necessidades específicas pela sua paz de espírito:

          Sugestões de leitura:

          Sobre o nosso blogue

          Aqui, exploramos temas que nos são queridos e relevantes. Sérios, mas com um toque de humor e apimentados pela nossa paixão pela escrita! Conheça-nos “nos bastidores” e partilhe a sua opinião através dos comentários!

          About our blog

          This is where we explore topics that we hold dear or that are relevant. Serious, with a hint of humor and spiced up by our passion for writing! Get to know us “behind the scenes” and share your opinion in the comments section!

          Tags

          abrandar (2)acordo ortográfico (3)agência de tradução (2)AI (2)aprendizagem automática (3)artificial intelligence (1)Assertividade (1)audience (1)audiência (3)auto-cuidado (1)automatic translation (1)bem-estar (2)brief (4)burnout (3)CAT tools (5)challenges (1)challenges of the translator (1)computer-aided translation (1)controlo de qualidade (3)copy de marketing (3)copywriting resources (1)criatividade (3)desafios do tradutor (2)Desempenho (2)Desenvolvimento (2)Development (1)dicas (5)discurso público (3)Emotional intelligence (2)envolvimento social (2)erros de tradução (3)fear (1)ferramentas de gestão da tradução (4)freelancer (5)Freelancing (1)Gestão (2)glossários (2)human translation (1)ikigai (2)inteligência artificial (3)Inteligência emocional (2)keywords (1)language (2)Leadership (3)legal translation (1)Liderança (2)linguagem (4)Local de trabalho (2)machine-translation (2)machine learning (1)Management (1)marketing (7)marketing copy (1)medo (3)mindfulness (4)MTPE (4)orientações pessoais (2)palavras-chave (2)Performance (1)processo criativo (4)Profissão (1)proofreader (1)public speech (1)quality control (1)recursos de copywriting (2)remote working (1)resources (1)revisor (2)ritmo de vida (2)SEO (2)serviços de tradução (3)slow living (2)social engagement (3)sworn translation (1)teamwork (3)tecnologias de tradução (4)terminologia (2)tips (2)trabalho de equipa (2)tradutores profissionais (3)tradução assistida por computador (2)tradução automática (2)tradução juramentada (2)tradução jurídica (2)tradução técnica (2)translation agency (1)translation errors (1)translation management tools (1)translation services (1)translation technologies (1)wellness (3)Workplace (2)

          0 Comments

          Submit a Comment

          O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

          Gostou deste artigo?
          Inscreva-se na nossa newsletter

          Receba informações sobre as ofertas e novidades que temos para si, e fique a par da publicação de novos artigos de interesse no nosso blogue.

            Did you like the article? Subscribe to our newsletter

            Receive information about the offers and news we have for you and keep up-to-date with new blog publications that suit your interests.

              Leia mais

              Leia mais

              Inteligência Social: como dominar a arte das ligações humanas

              Inteligência Social: como dominar a arte das ligações humanas

              As pessoas com uma IS elevada costumam ser curiosas e ter uma mente aberta em relação aos pensamentos, sentimentos e experiências dos outros. Normalmente, mostram interesse e apreço genuínos pelas outras pessoas. Escutam activa e atentamente e sabem expressar as suas próprias emoções de forma adequada e respeitosa. Podem ser peritos em ajustar o seu estilo de comunicação e comportamento para se adequarem a diferentes situações.

              read more

              Read more

              Read more

              Inteligência Social: como dominar a arte das ligações humanas

              Inteligência Social: como dominar a arte das ligações humanas

              As pessoas com uma IS elevada costumam ser curiosas e ter uma mente aberta em relação aos pensamentos, sentimentos e experiências dos outros. Normalmente, mostram interesse e apreço genuínos pelas outras pessoas. Escutam activa e atentamente e sabem expressar as suas próprias emoções de forma adequada e respeitosa. Podem ser peritos em ajustar o seu estilo de comunicação e comportamento para se adequarem a diferentes situações.

              read more

              Pin It on Pinterest

              Share This