Agências de tradução… Não, obrigado!

Sabemos que a reputação das agências de tradução está nas ruas da amargura quando vemos uma imensidão de publicações de potenciais trabalhos a referir que não querem ser contactadas por agências.

É claro, podemos rir-nos e dizer que o motivo é por conseguirem preços mais baixos de trabalhadores por conta própria (entre outras “regalias” que beneficiam mais uma agência/cliente final do que o profissional independente), mas se para um punhado de clientes isto é seguramente verdade, talvez a tendência actual esconda uma verdade mais feia do que gostaríamos de ver.

Enquanto agência de tradução, lidamos com todo o género de prestadores de serviços linguísticos e pessoas que procuram os referidos serviços: desde trabalhadores por conta própria, até agências de tradução e clientes finais.

Deixem-me dizer-vos o que já vimos: uma queda acentuada da qualidade fornecida pelas agências, a par de um número cada vez maior de exigências (por vezes, bastante absurdas) em termos de preços, instruções e prazos de entrega. Enquanto empresa de tradução, lidamos com estas situações e seguimos em frente, falando entre nós sobre o estado de tudo isto, enquanto bebericamos o nosso chá durante as chamadas por Skype.

Estamos em posição de aceitarmos ou recusarmos as condições e, neste sentido, estamos em vantagem. Infelizmente, enquanto há algum tempo víamos algumas agências com práticas profissionais longe das ideais, actualmente parece que passou a ser prática corrente.

Isto não é um bom augúrio para ninguém.

Eu sei que há por aí agências fantásticas, incluindo a nossa (desculpem-me a gabarolice), por isso, isto pode não se aplicar a si, mas acabamos por nos afectar uns aos outros ao longo do processo. Práticas como cortar demasiado nos custos, exigir prazos de entrega urgentes (quando, na maior parte dos casos, não é necessário) e um controlo excessivo no seguimento dos trabalhos vão voltar e atormentar-nos no futuro.

Os outros é que têm a culpa… A sério?

Trabalhadores por conta própria com trabalho de fraca qualidade sempre existiram. Conhece o tipo: os preços mais baixos, mentiras descaradas sobre as suas qualificações, aceitam tudo e depois deixam o cliente à espera vários dias após o fim do prazo de entrega, maus resultados… por isso, este não é o verdadeiro problema.

Além disso, o cliente que só corre atrás do preço mais baixo possível tem sido um padrão neste sector. Porém, também não é a raiz do problema.

Quase podemos “cheirar” a preocupação nas ofertas de trabalho quando dizem “Não pretendemos ser contactados por agências”, o que nos faz questionar: que tipo de “tubarões” sem escrúpulos morderam tanto estes clientes no passado que fizeram com que se opusessem tanto a agências de tradução?

E então lembramo-nos das nossas próprias experiências profissionais com algumas agências nos últimos anos e faz-se luz! Também o vemos acontecer entre agências; até estamos cansadas umas das outras! Isso não nos diz nada?

Em vez de mergulharmos nesta tendência, porque não começarmos por explicar a importância dos serviços linguísticos prestados por equipas? E além disso, que tal haver uma maior transparência?

Sim, existem excelentes profissionais por conta própria por aí (temos a sorte de trabalhar com alguns deles), mas estes não são a única solução. Afirmo até que, para determinados tipos de trabalhos, não são de todo a melhor opção.

Para alguns projectos, uma equipa é seguramente a melhor opção, uma vez que o projecto vai mudar de mãos entre pessoas que conhecem os pontos fortes e hábitos de trabalho dos colegas, conseguindo por isso detectar problemas que podem ter passado despercebidos pelas outras pessoas. Este pormenor é muito importante em projectos grandes e/ou temáticas mais complexas.

Na nossa empresa de tradução, optámos por ter uma pequena equipa interna, porque a experiência nos diz que atingimos os melhores resultados quando trabalhamos em equipa, através de uma aprendizagem mútua, conseguindo assim melhorar as nossas aptidões.

Ocasionalmente trabalhamos com profissionais independentes, mas apenas naqueles em quem confiamos e quando o volume de trabalho/tipo de projecto assim o exige.

Contratar uma equipa… qual é o benefício para um cliente?

Basicamente, é uma solução tudo em um, ponto final. Com apenas um orçamento, o cliente tem direito a tradução (link tradução), revisão (link – revisão) e controlo de qualidade (link serviços)— entre outras tarefas que por vezes são necessárias, como edição (link – serviços), transcriação (link – transcriação), copywriting (link – copywriting), etc.

Se houver um problema ou algo a adicionar/corrigir, o cliente necessita apenas de contactar a pessoa responsável pela equipa — normalmente o gestor de projectos — que está constantemente em contacto com os outros membros da equipa.

Não é necessário fazer malabarismo, saltando de e-mail para e-mail, contactando os vários participantes no projecto — que, na maior parte das vezes, não se conhecem — tentando chegar a um consenso e a uma tradução final adequada para a sua finalidade. Fico com dor de cabeça só de escrever sobre isto, estar nesse cenário pode ser um pesadelo!

Para terminar…

Agências de tradução de todo o mundo: pensem muito bem sobre as práticas que pretendem implementar, porque também estão a moldar o futuro deste sector.

Em vez de se queixarem de profissionais de má qualidade que ficam com todos os trabalhos ou de clientes que vos importunam relativamente aos preços, pensem nas vossas próprias regras e no que estão a fazer para criar um ambiente mais fiável e sustentável nesta arena profissional (sim, é uma referência a Brené Brown, para aqueles que compreenderam).

Podemos fazer a diferença! Quanto à nossa equipa, estamos empenhadas em fazer a nossa parte! Acreditamos que é possível reverter esta tendência e confiar nas agências de tradução, desde que não coloquemos em risco o que é importante.

Quer saber mais sobre como uma boutique de tradução pode otimizar seu negócio? Conheça nossos serviços!

Sobre o nosso blogue

Aqui, exploramos temas que nos são queridos e relevantes. Sérios, mas com um toque de humor e apimentados pela nossa paixão pela escrita! Conheça-nos “nos bastidores” e partilhe a sua opinião através dos comentários!

About our blog

This is where we explore topics that we hold dear or that are relevant. Serious, with a hint of humor and spiced up by our passion for writing! Get to know us “behind the scenes” and share your opinion in the comments section!

Categorias

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Leia mais

Leia mais

A pós-edição é uma competência relevante?

A pós-edição é uma competência relevante?

No passado, muitas vezes era mais fácil trabalhar directamente a partir do texto original e traduzir de raiz do que editar posteriormente o conteúdo gerado, normalmente de má qualidade. Porém, os avanços na tradução automática — impulsionados principalmente pelo facto de o texto pós-editado poder ser alimentado aos motores de tradução para aprendizagem — permitem agora um resultado de maior qualidade, e isto tem vindo a aumentar a procura deste serviço.

read more
Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

O português é uma língua latina, sim, mas apenas porque deriva, juntamente com outras influências, e tal como vários outros idiomas (o castelhano, o francês, o italiano, etc.) do Latim — uma língua morta, difundida pelo antigo Império Romano, nos tempos em que o povo romano e o povo grego eram o auge da civilização, e consideravam todos os outros povos meros “bárbaros”.

read more

Read more

Read more

A pós-edição é uma competência relevante?

A pós-edição é uma competência relevante?

No passado, muitas vezes era mais fácil trabalhar directamente a partir do texto original e traduzir de raiz do que editar posteriormente o conteúdo gerado, normalmente de má qualidade. Porém, os avanços na tradução automática — impulsionados principalmente pelo facto de o texto pós-editado poder ser alimentado aos motores de tradução para aprendizagem — permitem agora um resultado de maior qualidade, e isto tem vindo a aumentar a procura deste serviço.

read more
Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

O português é uma língua latina, sim, mas apenas porque deriva, juntamente com outras influências, e tal como vários outros idiomas (o castelhano, o francês, o italiano, etc.) do Latim — uma língua morta, difundida pelo antigo Império Romano, nos tempos em que o povo romano e o povo grego eram o auge da civilização, e consideravam todos os outros povos meros “bárbaros”.

read more

Pin It on Pinterest

Share This