Medo das coisas novas: as mudanças no local de trabalho

O medo é uma emoção humana básica. H. P. Lovecraft disse que a emoção mais antiga da humanidade é o medo, e o tipo mais antigo e mais forte de medo é o medo do desconhecido.

O medo é a reacção emocional a uma ameaça específica e discernível. O medo não é necessariamente negativo, o seu objectivo é proteger-nos de perigos iminentes ao desencadear um comportamento defensivo no cérebro, conhecido como o instinto de lutar ou fugir.

Uma fobia é um tipo de distúrbio de ansiedade caracterizado por medo ou aversão intensa e persistente a um objecto ou situação. Regra geral, as fobias conduzem a um terror repentino que pode conduzir a ataques de ansiedade ou mesmo de pânico.

A neofobia é o medo de coisas novas. Obviamente, fobia é um termo muito forte que não deve ser generalizado, mas uma boa parte de nós sofre de uma forma mais subtil deste medo. Outra fobia associada é a metatesiofobia, ou medo da mudança. Mais uma vez, apenas alguns sofrem desta fobia, mas, embora com menor intensidade, a maioria das pessoas tem algum receio da mudança. Receamos quando as nossas circunstâncias mudam, sobretudo, porque temos medo do desconhecido.

A maioria dos medos e fobias provém da ansiedade e/ou das nossas experiências negativas anteriores.

É humano querer prever o desconhecido e ter alguma medida de controlo sobre o que nos acontece. A previsibilidade dá-nos uma sensação de controlo. Assim, ter um medo razoável do desconhecido é normal e pode mesmo ser um mecanismo adaptativo.

Quem nunca se sentiu renitente perante a ideia de experimentar uma coisa nova?

Os seres humanos tendem a sentir-se seguros nas suas rotinas.

Viver na mesma casa, trabalhar para a mesma empresa, ir àquele mesmo restaurante onde os empregados nos cumprimentam e nos servem logo o nosso pedido “habitual”. Parece-lhe familiar?

Os humanos são criaturas de hábitos e a familiaridade é sinónimo de conforto e de segurança.

A verdade é que muitos de nós temos tanto medo do sucesso como do fracasso! O sucesso (seja qual for a sua definição pessoal de “sucesso”) implica enfrentar uma série de circunstâncias desconhecidas. Acções arriscadas podem conduzir ao fracasso, mas ser-se bem-sucedido também implica assumir riscos.

Tanto o sucesso como o fracasso podem mudar radicalmente a nossa vida e estas mudanças forçam-nos a adaptarmo-nos a novas circunstâncias. Sedento de estabilidade e segurança, o nosso eu interior poderá sentir que as potenciais vantagens do sucesso não compensam o esforço de termos de nos adaptar a uma nova realidade ou perdermos a sensação de segurança! Portanto, a familiaridade é confortável, mas também pode ser limitativa.

Mudanças no local de trabalho

Muitos de nós anseiam por uma mudança no local de trabalho para escapar ao tédio e à rotina. Alguns até sonham com uma viragem total nas suas carreiras! Porém, do outro lado da linha, muitos outros vivem aterrorizados com a possibilidade de qualquer tipo de mudança no local de trabalho — quanto mais de uma mudança de carreira! As mudanças forçam-nos a sair da nossa zona de conforto e, como tal, podem ser assustadoras. 😱

Os estudos revelam que as mudanças no local de trabalho são dos principais factores de stress dos funcionários e não é surpreendente que as mudanças mais inquietantes sejam o layoff ou o desemprego. No entanto, não são necessárias grandes mudanças para gerar ansiedade nos funcionários — até mesmo as mudanças subtis podem causar grande desconforto. 🙁

O problema é que não podemos escapar à mudança e o medo da mudança pode ser tão forte que se torna avassalador. Embora um medo razoável, numa fase inicial, seja perfeitamente normal, esforçar-se por combater as mudanças, ter más atitudes com colegas e superiores, negar os seus medos ou deixá-los interferir com o seu desempenho ou relações profissionais não é saudável.

A mudança é essencial nos negócios. As empresas não prosperam sem mudanças. Os mercados evoluem, os consumidores mudam, há novas tecnologias ao virar de cada esquina, e a mudança é necessária para que as empresas cresçam e se mantenham competitivas e relevantes.

Vivemos num mundo com robôs de entrega de alimentos nos restaurantes e aspiradores inteligentes em casa, máquinas capazes de aprender e assistentes de voz, condução autónoma e domótica, juntamente com uma quantidade massiva e crescente de informação na ponta dos seus dedos! É mais do que natural que a sua empresa incorpore algum grau de avanços tecnológicos a fim de melhorar a produtividade e o fluxo de trabalho.

Precisamente porque a mudança é inevitável, enquanto funcionário, deve ser capaz de se adaptar a quaisquer alterações futuras se quiser demonstrar que continua a contribuir de forma relevante para a sua empresa.

Tem medo da tradução assistida?

Na área dos serviços linguísticos, foram muitos os tradutores profissionais que se assustaram com a introdução das ferramentas de tradução assistida no mercado.

Adoptadas por alguns, temidas por muitos, as ferramentas de tradução assistida por computador vieram para ficar!

Os tradutores receavam que a tradução assistida por computador viesse a substituí-los no futuro, acabando por tornar a profissão redundante. A tradução assistida por computador foi inicialmente confundida com a tradução automática, mas estamos a falar de coisas muito diferentes. Alguns clientes recusavam trabalhos realizados com qualquer tipo de ferramenta auxiliar com preocupações relacionadas com a qualidade.

Na verdade, estas ferramentas destinam-se a auxiliar os tradutores humanos. Além disso, os “amadores” na área da tradução nunca poderão igualar tradutores profissionais experientes só porque utilizam este tipo de software! As ferramentas de tradução assistida não podem substituir talento, competências, conhecimento, especialização… Até mesmo a verdadeira tradução automática é apenas uma pequena parte daquilo que é a tradução assistida por computador e os seres humanos continuam a ser os protagonistas do processo.

Claro que existem “puristas”, ainda hoje, mas podemos dizer que um tradutor profissional que foge destas ferramentas de tradução equivale a um empresário sem um smartphone ou um endereço de e-mail! 📱

Por exemplo, estão abdicar da capacidade de gerir grandes volumes de terminologia específica e repetições com pouca ou nenhuma margem de erro. As CAT tools são essenciais para o Controlo de Qualidade em grandes projectos de tradução técnica. Especialmente, quando o volume de palavras é tão grande que um único manual de instruções tem de ser dividido por vários tradutores. As CAT tools proporcionam a consistência terminológica entre as diferentes traduções entregues.

Hoje em dia, muitas agências de tradução chegam a ter a sua própria CAT tool e um tradutor profissional tem de saber como trabalhar com este tipo de software se quiser preencher os requisitos de boa parte das ofertas de trabalho!

Em suma, o medo da mudança e do progresso pode impedi-lo de evoluir como profissional e permanecer relevante no seu próprio mercado.

Na verdade, as pessoas que temem perder a relevância como profissionais devido a estas novas ferramentas estão a tornar-se redundantes por fugirem da mudança.

Algumas dicas para lidar com o medo

  • O primeiro passo para lidar com o medo da mudança no local de trabalho (e o medo em geral) é reconhecer como se sente. Reconheça que as mudanças estão a acontecer e reconheça os sentimentos que provocam em si. Aceite a situação, não se recrimine por estar ansioso e não tenha vergonha!
  • Peça ajuda, partilhe os seus sentimentos com colegas, familiares e amigos próximos, ou mesmo com um profissional (especialmente se estamos a falar de uma fobia). Podemos sempre beneficiar da perspectiva e das opiniões de quem nos rodeia. A comunicação é essencial: esclareça as suas dúvidas e preocupações junto dos seus colegas de trabalho e dos seus superiores.
  • Tente não se focar nos seus medos durante o expediente. Estar concentrado nos seus medos enquanto trabalha irá afectar a sua produtividade e, num momento como este, não precisa de mais um problema! Não negue os seus sentimentos, mas foque-se neles mais tarde, nunca durante o dia de trabalho.
  • Escreva os seus receios e preocupações tentando especificar para cada um as possíveis consequências. Releia mais tarde, quando estiver tranquilo. Continuam a parecer-lhe tão assustadores como anteriormente? 🤔
  • Aprenda a pensar nas novas experiências com entusiasmo em vez de temor, aumentando a sua consciência emocional e tentando conectar-se com o seu eu interior.
  • Sabemos que é um cliché, mas é também a mais pura das verdades: seja positivo! Tente ter expectativas realistas, mas mantendo um espírito positivo. Por exemplo, o crescimento da sua empresa acabará por ser benéfico para si em última instância. Tente ver sempre o lado bom das coisas! ☀️ 🌞

A evitação não é uma estratégia de sobrevivência adaptativa. Quanto mais nos esforçamos por controlar ou fugir de certas emoções — como o medo — mais intensas se tornam. Tentar suprimir os nossos medos em vez de os enfrentarmos é uma solução superficial e temporária. O mais certo é sentirmo-nos ainda mais angustiados.

Apenas encarando os seus medos e preocupações será capaz de os processar e diminuir a angústia emocional. É preciso aprender a mudar os padrões de pensamento negativos, que são a causa principal dos comportamentos de evitação.

Sempre que se sentir angustiado ou dominado pelo medo, inspire profundamente algumas vezes! É um calmante natural. 😊

E então, alguma vez enfrentou mudanças significativas no local de trabalho ou mesmo uma mudança de carreira? Deixe-nos um comentário sobre como conseguiu superar.

Sobre o nosso blogue

Aqui, exploramos temas que nos são queridos e relevantes. Sérios, mas com um toque de humor e apimentados pela nossa paixão pela escrita! Conheça-nos “nos bastidores” e partilhe a sua opinião através dos comentários!

About our blog

This is where we explore topics that we hold dear or that are relevant. Serious, with a hint of humor and spiced up by our passion for writing! Get to know us “behind the scenes” and share your opinion in the comments section!

Categorias

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Leia mais

Leia mais

A pós-edição é uma competência relevante?

A pós-edição é uma competência relevante?

No passado, muitas vezes era mais fácil trabalhar directamente a partir do texto original e traduzir de raiz do que editar posteriormente o conteúdo gerado, normalmente de má qualidade. Porém, os avanços na tradução automática — impulsionados principalmente pelo facto de o texto pós-editado poder ser alimentado aos motores de tradução para aprendizagem — permitem agora um resultado de maior qualidade, e isto tem vindo a aumentar a procura deste serviço.

read more
Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

O português é uma língua latina, sim, mas apenas porque deriva, juntamente com outras influências, e tal como vários outros idiomas (o castelhano, o francês, o italiano, etc.) do Latim — uma língua morta, difundida pelo antigo Império Romano, nos tempos em que o povo romano e o povo grego eram o auge da civilização, e consideravam todos os outros povos meros “bárbaros”.

read more

Read more

Read more

A pós-edição é uma competência relevante?

A pós-edição é uma competência relevante?

No passado, muitas vezes era mais fácil trabalhar directamente a partir do texto original e traduzir de raiz do que editar posteriormente o conteúdo gerado, normalmente de má qualidade. Porém, os avanços na tradução automática — impulsionados principalmente pelo facto de o texto pós-editado poder ser alimentado aos motores de tradução para aprendizagem — permitem agora um resultado de maior qualidade, e isto tem vindo a aumentar a procura deste serviço.

read more
Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

O português é uma língua latina, sim, mas apenas porque deriva, juntamente com outras influências, e tal como vários outros idiomas (o castelhano, o francês, o italiano, etc.) do Latim — uma língua morta, difundida pelo antigo Império Romano, nos tempos em que o povo romano e o povo grego eram o auge da civilização, e consideravam todos os outros povos meros “bárbaros”.

read more

Pin It on Pinterest

Share This