Tecnologia: a evolução da tradução Parte 1

Em 1964, para descrever o fenómeno pelo qual a cultura mundial estava a encolher e a expandir-se simultaneamente devido à partilha instantânea da cultura originada pelo progresso tecnológico, o teórico dos media e da comunicação Marshall McLuhan cunhou o termo “aldeia global” . 🌍

Podemos dizer que a tradução desempenhou um papel importante neste fenómeno.

Claro que o mundo nem sempre foi uma aldeia global.

Um olhar sobre o passado

Historicamente, a tradução sempre teve um papel crucial na difusão do conhecimento, permitindo que diferentes povos, de diferentes idiomas, compartilhassem os seus conhecimentos e culturas.

A tradução remonta à antiguidade e tudo o que sabemos actualmente é fruto de uma amálgama de informações de diferentes culturas, transmitidas e traduzidas em muitos idiomas diferentes.

O primeiro tradutor de que há registo foi São Jerónimo, que viveu por volta de 400 A.D. 🤯

Natural da Dalmácia — a actual Croácia — viajou pelo mundo, passando por Roma, França e o deserto sírio até Belém, onde faleceu.

Era um monge com uma abertura de espírito considerável para a época, que coleccionava livros cristãos, mas também pagãos, e era um leitor e um estudante insaciável.

Tinha uma memória incrível que lhe permitia reter tudo o que aprendera nas suas viagens e leituras e era conhecido pelo seu intelecto excepcional, mas também por ser solitário e um pouco carrancudo!

São Jerónimo traduziu a Bíblia do hebraico e do grego para o latim, pelo que é conhecido como o santo padroeiro dos tradutores, arquivistas, bibliotecas e bibliotecários.

À data, traduziu com ferramentas como tinta e papel, apoiado por um cérebro excepcional e uma excelente memória… Seguindo os seus passos, a tradução manteve-se maioritariamente fiel aos textos religiosos, históricos e literários por longos anos.

Na verdade, a primeira ferramenta de tradução mecânica, que permitiu agitar as coisas, apenas foi introduzida séculos depois, em 1874: a máquina de escrever.

Curiosamente, o modelo de teclado QWERTY foi desenvolvido para as máquinas de escrever da década de 1870, mas continua a ser actualmente a norma para os teclados de computador.

Com efeito, as minhas primeiras traduções foram realizadas numa máquina de escrever electrónica Olivetti no final dos anos 80, o que possibilitou uma transição bastante suave para um pequeno computador Macintosh a preto e branco no meu primeiro emprego como secretária em meados dos anos 90! 😊

Nos anos 80, as máquinas de escrever já eram uma ferramenta indispensável na maioria dos escritórios comerciais, mas, também por volta dessa época, começaram a ser substituídas pelos primeiros computadores pessoais com software de processamento de texto.

No início de 2000, muitos lares já possuíam um computador pessoal e a maioria dos escritórios comerciais tinha abandonado a máquina de escrever e optado por um PC de secretária.

O segundo milénio foi uma época de progresso tecnológico incrivelmente rápido e insano… e o resto é história!

É certo que o progresso tem vindo a transformar as práticas e os mercados actuais… mas até que ponto?

Para saber a resposta, não deixe de ler a Parte 2 deste artigo sobre a evolução da tradução!

Se gostaria de saber mais, dê uma vista de olhos às nossas sugestões de leitura (em inglês):

Sobre o nosso blogue

Aqui, exploramos temas que nos são queridos e relevantes. Sérios, mas com um toque de humor e apimentados pela nossa paixão pela escrita! Conheça-nos “nos bastidores” e partilhe a sua opinião através dos comentários!

About our blog

This is where we explore topics that we hold dear or that are relevant. Serious, with a hint of humor and spiced up by our passion for writing! Get to know us “behind the scenes” and share your opinion in the comments section!

Categorias

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Leia mais

Leia mais

A pós-edição é uma competência relevante?

A pós-edição é uma competência relevante?

No passado, muitas vezes era mais fácil trabalhar directamente a partir do texto original e traduzir de raiz do que editar posteriormente o conteúdo gerado, normalmente de má qualidade. Porém, os avanços na tradução automática — impulsionados principalmente pelo facto de o texto pós-editado poder ser alimentado aos motores de tradução para aprendizagem — permitem agora um resultado de maior qualidade, e isto tem vindo a aumentar a procura deste serviço.

read more
Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

O português é uma língua latina, sim, mas apenas porque deriva, juntamente com outras influências, e tal como vários outros idiomas (o castelhano, o francês, o italiano, etc.) do Latim — uma língua morta, difundida pelo antigo Império Romano, nos tempos em que o povo romano e o povo grego eram o auge da civilização, e consideravam todos os outros povos meros “bárbaros”.

read more

Read more

Read more

A pós-edição é uma competência relevante?

A pós-edição é uma competência relevante?

No passado, muitas vezes era mais fácil trabalhar directamente a partir do texto original e traduzir de raiz do que editar posteriormente o conteúdo gerado, normalmente de má qualidade. Porém, os avanços na tradução automática — impulsionados principalmente pelo facto de o texto pós-editado poder ser alimentado aos motores de tradução para aprendizagem — permitem agora um resultado de maior qualidade, e isto tem vindo a aumentar a procura deste serviço.

read more
Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

Considerações sobre a Língua Portuguesa e o Acordo Ortográfico

O português é uma língua latina, sim, mas apenas porque deriva, juntamente com outras influências, e tal como vários outros idiomas (o castelhano, o francês, o italiano, etc.) do Latim — uma língua morta, difundida pelo antigo Império Romano, nos tempos em que o povo romano e o povo grego eram o auge da civilização, e consideravam todos os outros povos meros “bárbaros”.

read more

Pin It on Pinterest

Share This